Visão Empresarial
Por que as pessoas da empresa não acreditam quando digo que estou agindo com isenção?

Emoções

O processo de auto percepção é um exercício extremamente delicado. Primeiro porque, via-de-regra, quando percebemos o que estamos sentindo e o que nos guia, o que nos influencia para determinada decisão, estamos apenas nos referindo aos sentimentos, que são aquelas emoções percebidas por nós. Entretanto, quando a gente está agindo em determinada situação há um conjunto de emoções positivas e negativas que nem sempre percebemos que estão influenciando no nosso comportamento. Trago dois exemplos. Imagine que você tem um colega de trabalho que cometeu um erro dentro da empresa e esse erro é passível inclusive de demissão segundo as normas da companhia. Acontece que esse erro foi cometido por duas pessoas de maneiras diferentes.

*****

Admiração

A primeira pessoa é alguém que você admira, que você respeita e que sempre elogiou pela maneira comprometida e engajada que tem em relação à empresa e que também sempre se preocupou em dar o melhor para os clientes e nunca em obter algo em vantagem própria. E esse seu colega, que você gosta muito, acabou cometendo esse erro. Já, o segundo caso é de uma pessoa completamente displicente, completamente irresponsável que não dá a menor importância para o que acontece dentro da organização e aos impactos que suas atitudes implicam junto aos clientes.

*****

Justiça

Esse é o segundo colega, aquele que você não admira, que você até acha que não tem condições de trabalhar na empresa e que cometeu o mesmo erro que o seu primeiro colega que você tanto admira. Neste momento, dizer que está agindo com total isenção será uma afirmação que aos olhos de outras pessoas não soará como completamente isenta. Nesse caso o melhor é você não se preocupar tanto em provar para os outros se está agindo com isenção, mas ao contrário, provar se você está agindo com justiça. Às vezes a gente dá mais valor para a isenção do que para a justiça, perde o foco e acaba tomando decisões equivocadas. Pense nisso!

Luciano Salamacha