Guzzo
"Quem é o inimigo", por J.R. Guzzo

Por J.R. Guzzo 

"A única arma contra a peste é a honestidade".

Albert Camus, em A Peste


Eis aí o que mais está faltando ao Brasil destes tempos de epidemia, morte e miséria. Há gestores que não acaba mais - um em cada esquina, do Oiapoque ao Chuí. Há a multiplicação geométrica de palpites que se transformam em decisão de governo. Há autoridades que querem acabar com o vírus produzindo feriados, filas de ônibus ou congestionamentos de trânsito.

Rodízios de carro são feitos, desfeitos e refeitos; a única certeza que deixam é que as autoridades que decidem sobre eles não têm ideia do que estão fazendo. A cada meia hora aparece alguma nova facção obcecada em defender alguma coisa, ou em guerrear contra ela - da cloroquina à proibição da abertura dos armarinhos. Mas a coragem de assumir posições honestas está desaparecida há três meses no Brasil. Nunca foi muito presente. Hoje em dia sumiu de vez.

Entra de tudo neste cozido. O público teve direto, inclusive, à uma declaração realmente extraordinária do ex-presidente Lula, que se juntou à multidão de celebridades com algum manifesto essencial a lançar sobre a covid-19. "Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus", disse Lula.

O lado bom da tragédia, segundo ele, seria o efeito didático do vírus. "Esse monstro está permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises", disse Lula. Que solução? Se a covid está provando alguma coisa nesse País, é justamente a incapacidade terminal do Estado em lidar com o problema. Basta olhar para a lista de mortos que cresce desde março - ou o que acontece dentro dos hospitais públicos onde a epidemia é tratada

E a roubalheira, então? A primeira consequência da majestade do "Estado" perante a covid foi a suspensão das licitações públicas para despesas relacionadas com o combate ao vírus; a partir daí, rouba-se com inédita ousadia nos 27 Estados e 5.500 municípios, sem que o Ministério Público incomode realmente ninguém. Mas é nisso mesmo que está a verdadeira alma do atual debate: a realidade que vá para o diabo. A única coisa que interessa é aproveitar o vírus para vender o seu peixe ideológico, político ou financeiro.

A população brasileira precisa, mais do que nunca, de uma trégua; só então se abriria mais espaço para a competência, a eficácia e a seriedade científica no trato da calamidade que está arruinando o País.

Mas nenhuma trégua será possível sem honestidade - mesmo com toda as declarações de bons propósitos como as que foram feitas outro dia pelo presidente da República, os 27 governadores e os presidentes do Senado e da Câmara, em sua reunião virtual através da televisão.

O problema real é que os políticos - e milhões de cidadãos - acham que hoje só existe um tipo de fato: o que confirma as suas próprias opiniões, crenças ou convicções sobre a epidemia. Mas não é assim. Há fatos independentes entre si que convivem ao mesmo tempo; a existência de um não anula a existência de outro. O medo de morrer é um fato que está acima de dúvida. O medo de ficar sem dinheiro para sobreviver é outro, do mesmo tamanho.

Na maioria dos países do mundo há um inimigo comum - o vírus. No Brasil o inimigo é quem defende um ponto de vista diferente do seu. O resultado é essa aberração que está aí, na qual o confinamento deixou de ser um meio para combater a epidemia e se transformou numa meta política que divide o poder público em dois campos opostos. É o ideal para fazer o que estão fazendo: matar cada vez mais gente e, ao mesmo tempo, destruir o País.