Blog do Canabarro
SER VOCÊ MESMO

 

Seja você mesmo, mas não seja sempre o mesmo. Na universidade em que trabalho o processo seletivo é somente o ENEM. Por essa razão ela tornou-se uma instituição de ensino nacional, deixando a característica regional, comum às universidades que aplicam vestibular. Temos jovens originários de 23 estados da federação. Isso trouxe uma característica bastante interessante ao perfil do estudante que vem para cá, são mais arrojados e empreendedores, e ao mesmo tempo sofrem um pouco mais por estarem longe da família e dando conta da rotina da casa num tempo em que isso não seria comum. A nossa universidade tornou-se ponto de  convergência de jovens de toda natureza, formação, classe social e personalidade, mas uma coisa não mudou: carregam consigo os mesmos valores e limites que tinham quando estudavam em suas cidades de origem. Durante minhas aulas abordo com bastante frequência  e intensidade a questão dos modelos mentais e os comportamentos nocivos à carreira de cada um. De como nossas crenças e a forma como fomos criados, o tipo de escola que frequentamos e até mesmo o perfil do círculo de amigos que convivemos moldam nosso caráter e ajudam na definição de quem sou eu.

COMBATE AOS COMPORTAMENTOS TÓXICOS

Alguns comportamentos tóxicos funcionam como auto-sabotagem, ou seja, a pessoa toma decisões e atitudes que vão contra ela própria. O excesso de timidez, o medo de falar em público, a dificuldade de transformar o pensamento em palavras, de organizar o tempo, a pouca interação com outras pessoas, o hábito de ficar calado durante as aulas e reuniões por medo de se expor, tudo isso é normal. Todos têm fraquezas e dificuldades. O que não é normal e altamente tóxico para o desenvolvimento pessoal é o não enfrentamento dessas dificuldades. É aceitar como fato consumado e se dar por vencido. É preciso tomar consciência das dificuldades, mas principalmente é preciso tomar consciência da necessidade de mudar de comportamento, de lutar contra as fraquezas e romper as amarras que não permitem a exploração do seu maior potencial. Quantas oportunidades as pessoas perdem na vida por não encontrarem forças para vencer uma barreira mental? Quantos lugares, pessoas, entidades e empresas deixamos de conhecer por medo de interagir?

A SUA MELHOR VERSÃO

Li uma frase dias atrás que falava que quem vence um concorrente é vencedor, mas quem vence a si mesmo é invencível. Sempre realizo com meus alunos um exercício mental, que creio que vale para você que lê agora. Peço para que voltem ao primeiro dia de aula na universidade, como calouros. Pergunto a eles quantas pessoas conheciam ali naquela sala e quantos o conheciam também. Invariavelmente a resposta é: NINGUÉM. Então pergunto: o que te impediu então de ser uma nova pessoa, totalmente diferente do que você era antes de vir para a faculdade? Afinal estava chegando num lugar onde ninguém o conhecia, onde ninguém sabia como você era. O que impede uma pessoa tímida de deixar de ser tímida? Ou de parar de ter medo de falar em público? Afinal onde ninguém te conhece, não há uma imagem formada do seu perfil e você poderia ser quem você quisesse. Mude o cenário para uma empresa onde você está começando a trabalhar. A situação é a mesma.  Mas não conseguimos ser diferentes porque ainda não aprendemos a combater a nós mesmos, os nossos limites e mentais e modelos de comportamento. Ou aprendemos a nos reinventar, a ser uma nova pessoa em cada oportunidade, mas sem perder a identidade ou levaremos para todos os lugares exatamente quem sempre fomos, com as fraquezas e dificuldades que sempre tivemos e sofreremos o que sempre sofremos.