Psicologia em pauta
“Somos mutantes”

Lílian Yara de Oliveira Gomes

CRP 08/17889

 

Hoje recebi um vídeo muito interessante com o título acima colocado, em que aponta e nos instruí que “as nossas células estão em constante observação acerca dos nossos pensamentos e sendo modificados por eles”. E, “que nossas células processam e projetam as nossas experiências e metabolizam de acordo com nossos pontos de vista pessoais”.

“Que quem está deprimido projeta tristeza para toda a parte de seu corpo”. E, “que não podemos captar informações isoladas e carimbar com um julgamento! ” Nesse aspecto, me coloco percebendo, o quanto fazemos isso no decorrer das nossas vidas.

Não é raro, rotularmos, julgarmos, influir de que maneira seria melhor que o “outro pensasse ou reagisse”. E aqui eu acrescentaria ao título, “somos todos mutantes e diferentes”.

É nesse olhar que temos que perceber quem está ao nosso lado, com quem nos relacionamos, com quem trabalhamos. Sabemos que “somos capazes de mudar a nossa biologia de acordo com o que pensamos e sentimos”, porém nem sempre nos damos conta dessa possibilidade e também nem sempre queremos, porque sabemos que isso dá trabalho e a tomada de consciência, nos traz compromisso e mudanças tanto de hábitos como de pensamentos.

E, também nos cabe refletir: será que o surgimento de tantos casos de CA (câncer), doenças autoimunes, infectocontagiosas, terão somente causas orgânicas? Com certeza, não. As causas poderão ser múltiplas, porém não poderemos descartar, principalmente, as emocionais.

Aí encontramos as enfermidades e comorbidades psicossomáticas, em manifestações as mais variadas, sejam através da pele, das doenças estomacais, coronarianas, etc.

Nosso corpo reflete nossas emoções, crenças, pensamentos e esses se traduzem pelo nosso comportamento. E, as doenças podem surgir a partir de sentimentos.

Portanto, tristeza, raiva, ódio, rejeição, angústia, rancor, solidão, vergonha, ansiedade, depressão, estresse, entre outros, são sentimentos que podem nos causar prejuízos na nossa qualidade de vida. Por isso, realizar o enfrentamento com positividade, acreditando que haverá solução para as situações, já é a abertura para um novo olhar, para a percepção do “aqui e do agora”, na realização do melhor para que realmente a mudança se efetive e a qualidade de vida se faça.