Toque de Letra
Uma vez Flamengo, sempre Flamengo

A temporada 2019 termina com um time brasileiro realizando o sonho de uma grande nação de torcedores. Neste sábado, o Clube de Regatas do Flamengo entra em campo para tentar levantar a taça máxima que um clube profissional de futebol pode colocar na estante. Ser campeão mundial é de fato o máximo, pelo menos para os clubes sul-americanos.

Nesse frisson, a mídia brasileira está colorida de vermelho e preto sob a batuta da imprensa carioca, que aliás, é a manda chuva do futebol brasileiro. Assim, o Flamengo agregou a maior torcida do Brasil. Afinal, o Rio de Janeiro foi capital do Brasil e tudo que acontecia e acontece lá é espalhado para o resto do Brasil.

Houve um tempo em que só se via o Flamengo na televisão... Talvez isso explique tamanha nação. Zico era o craque e ditava o ritmo das transmissões. Assim, o Flamengo se tornou o time da década de 1980 e tomou conta de toda uma geração. Foi campeão mundial em 1981, justamente contra o algoz deste sábado, o Liverpool.

Para esta decisão, o dito favorito é o time inglês, que tem técnico alemão. Já o rubro-negro entra campo para o que der e vier, e o técnico é um português. Porém, há quem diga que, como em 1500, esse português do segundo milênio redescobriu o Brasil, ou melhor, o futebol brasileiro. O modo como o time carioca vem jogando é surpreendente. Simplesmente passou por cima dos rivais tupiniquins. Uma coisa é certa, pelo menos o time joga ofensivamente.

O Flamengo conquistou o Brasileirão e a Libertadores da América num final de semana. Na competição continental, os deuses do futebol permitiram o vacilo do temível River Plate, que achou que era campeão antes do jogo acabar. Agora, com esse alto astral, o tal cheirinho é pela glória do título mundial.