Toque de Letra
VAR: uma comédia de absurdos e tempo perdido

O fato é que o VAR está descaracterizando o jogo de futebol, do modo como está sendo utilizado. No início, essa ferramenta foi inventada para corrigir erros pontuais agindo nos lances em que árbitro do jogo, em campo, cometesse um erro grave. Mas, na prática, isso não está acontecendo. O que está havendo é uma série de absurdos, com o VAR apitando o jogo a todo instante e de forma interpretativa. Sobretudo, se baseando nas imagens em câmera lenta, que obviamente não condiz com a velocidade real do lance.

Além dos equívocos, está matando a dinâmica do jogo. Cada vez que o árbitro é acionado pelo VAR, leva cinco minutos em média para que a decisão seja tomada. Além de quebrar o ritmo da partida, esfria os jogadores e deixa a torcida nas arquibancadas esperando todo esse tempo pelo vai acontecer. Algumas vezes o jogo fica parado por mais de dez minutos. Isso é mesmo um absurdo.

O que vem acontecendo nos jogos é surreal. Como exemplo mais recente, dois confrontos envolvendo o mesmo clube: o Athletico Paranaense. Pela semifinal da Copa do Brasil, o Furacão cometeu um pênalti claro a favor do Grêmio, que foi analisado e negado pela interpretação do VAR. Na sequência, pelo Brasileirão, o time paranaense foi prejudicado contra o Santos, num lance em que o árbitro de campo marcou falta fora da área corretamente, mas o VAR viu penalidade máxima.

Vale lembrar que o futebol é o esporte mais popular do mundo porque justamente o torcedor conhece as regras. Mas, isso está mudando e hoje, por exemplo, ninguém mais sabe quando é ou não pênalti. Ninguém mais sabe o que pode acontecer depois da marcação de um gol. A interferência do VAR deveria ser discreta, mas do modo como vem agindo, está tornando o jogo uma verdadeira comédia de erros.